Siga-nos as redes sociais

Ucrânia diz que centenas de soldados russos morreram em ataque, confirmadas 63 baixas

Mísseis ucranianos atingiram um prédio na cidade de Makiivka, na véspera do fim do ano, onde estavam estacionadas forças russas. A investida terá provocado a morte de 400 soldados, segundo indica Kiev. As autoridades pró-russas da região de Donetsk reconheceram o ataque, mas confirmaram 63 baixas.

Um ataque ucraniano com mísseis na região ocupada de Donetsk provocou pelo menos 400 mortes e mais de 300 feridos entre as forças russas, afirmam as autoridades de Kiev.

Os militares de Moscovo estariam estacionados num prédio na cidade de Makiivka. As forças pro-russas já reconheceram que houve vítimas na sequência deste ataque, mas não confirmaram os números relatados pelos ucranianos.

O Ministério russo da Defesa acabou por informar esta segunda-feira que 63 soldados foram mortos no ataque. Revelou também que o ataque ucraniano atingiu um ponto de implantação temporário na cidade de Makivka, com foguetes de artilharia de alta mobilidade (HIMARS).

“Foi desferido um duro golpe na escola vocacional da American MLRS Himars”, confirmou Daniil Bezsonov, um alto funcionário apoiado pela Rússia nas áreas ocupadas em Donetsk.

“O míssil atingiu Makiivka dois minutos depois da meia-noite no dia de Ano Novo” disse Bezsonov referindo-se aos mísseis fornecidos pelos Estados Unidos à Ucrânia.”Houve mortos e feridos, mas o número exato ainda é desconhecido”, acrescentou Bezsonov através de uma publicação no Telegram, citado na BBC. Na mesma rede social, Vladimir Solovyov, um apresentador russo, escreveu que “as perdas foram significativas… mas muito longe” de 400.

Por sua vez, o comentador pró-russo Igor Girkin, afirmou que centenas de militares foram mortos e feridos, mas as baixas exatas ainda são desconhecidas devido ao grande número de desaparecidos. O prédio em si foi “quase completamente destruído”, observou.

“Também foi destruído quase todo o equipamento militar, que ficava ao lado do prédio sem nenhuma camuflagem”, descreveu Girkin no Telegram.

Desde o início do novo ano, a cidade de Kiev está em alerta permanente de dia e de noite. Os ataques russos com mais de 39 drones danificaram infraestruturas e interromperam o fornecimento de energia e aquecimento, mas a maioria foi abatida disse o governador regional da capital ucraniana, Oleksiy Kuleba.Kuleba avançou que as armas eram drones Shahed de fabrico iraniano, e que “visavam instalações de fornecimento de energia fundamentais”.

“O principal agora é manter a calma e ficar em abrigos sempre que o alarme dispare” sublinhou.

Da RTP