Poucas mulheres participaram como majoritárias ao governo do AM

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no email
Reportagem: Cindy Lopes

A corrida eleitoral para ocupar a cadeira de governador do Amazonas pelos próximos quatros anos tem oito candidaturas oficializadas pelas convenções partidárias. Entre os concorrentes, duas mulheres disputam o cargo: Carol Braz e Nair Blair, que também têm uma mulher como vice.

Mas a gente volta no tempo e lembra que, historicamente, poucas mulheres chegaram a ser candidatas ao governo do estado e nenhuma delas venceu a eleição. E, apesar de representarem a maioria do eleitorado amazonense, a presença da mulher na política ainda é muito pequena.

Considerando a última década, que contabiliza três eleições para o executivo estadual, apenas uma concorreu ao cargo – sempre ocupado por homens. Foi em 2018 que Lucia Antony, do PC do B, entrou na disputa e ficou em quinto lugar entre os 7 candidatos, com 26 mil 403 votos, segundo dados do Tribunal Superior Eleitoral.

Desde aquele ano, por causa de uma determinação do TSE, partidos políticos são obrigados a destinar ao menos 30% dos recursos do Fundo Eleitoral para candidaturas femininas.

Na avaliação da advogada eleitoral Bianca Gonçalves, esse tipo de ação afirmativa é de extrema contribuição para que a participação feminina nesse cenário aumente cada vez mais.

A colunista de política da BandNews Difusora, Rosiene Carvalho, fala que, apesar dos avanços, esse processo ainda é lento.

Nas eleições de 2010, seis homens concorreram ao cargo. Quem venceu a disputa foi Omar Aziz, à epoca com 52 anos.

No pleito eleitoral de 2014, entre os 7 candidatos que disputaram a cadeira de governador, José Melo foi eleito pelo Amazonas aos 68 anos de idade.

Já nas eleições de 2018 o cenário mudou! Entre os 7 candidatos, maioria com nome já conhecido no cenário político, o eleito foi Wilson Lima, com 42 anos – o mais novo entre eles – e que nunca havia se candidatado a qualquer cargo político.

O analista político Afrânio Soares comenta que, diferente do que ocorreu em 2018, as eleições deste ano apontam para outro cenário:

No próximo episódio, você vai acompanhar o perfil dos candidatos ao Senado que o Amazonas elegeu nas eleições de 2010, 2014 e 2018.