Pílula Covid-19 da Merck ativa contra Ômicron em estudos de laboratório

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no email

A Merck & Co Inc (MRK.N) e a parceira Ridgeback Biotherapeutics disseram nesta sexta-feira (28), que seis estudos de laboratório mostraram que seu medicamento oral experimental para Covid-19, o molnupiravir, estava ativo contra a variante Ômicron, de rápida disseminação.

Os dados avaliaram a atividade antiviral do molnupiravir e outros agentes antivirais Covid-19 contra as variantes preocupantes do Covid-19. O molnupiravir ainda não foi estudado contra o Omicron em estudos humanos, disseram as empresas.

O molnupiravir e uma pílula oral rival da Pfizer Inc (PFE.N) foram autorizados nos Estados Unidos em dezembro e são considerados ferramentas importantes contra o Ômicron.

A Pfizer disse em dezembro que dados de laboratório sugeriam que seu medicamento Paxlovid manteve sua eficácia contra o Ômicron.

A Merck disse no início deste mês que sua pílula tem um mecanismo que pode funcionar contra o Omicron e qualquer outra variante.

O molnupiravir foi autorizado para uso em mais de 10 países, incluindo Estados Unidos, Reino Unido e Japão.

Da Reuters