Operação Uber Fake prende homens por esquema criminoso em corridas do App

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no email

A Delegacia Especializada de Roubos, Furtos e Defraudações (DERFD), deflagrou a Operação Uber Fake, que resultou nas prisões de Wagner Tavares Andrade, de 27 anos, por roubo majorado e associação criminosa, e de Danilo Cardoso Simões, 27, por receptação, na zona leste de Manaus.

O delegado Denis Pinho, que está respondendo interinamente pela especializada, informou que o roubo majorado ocorreu no dia 26 de março deste ano, na alameda Cosme Ferreira, bairro Coroado, zona leste. Na ocasião, as vítimas estavam aguardando uma corrida de aplicativo de mobilidade urbana, com destino à Avenida Constantino Nery.

“Um indivíduo identificado como Édson César da Silva Ferreira, 44, conduzindo um veículo modelo Virtus, de cor branca, abordou as vítimas e ofereceu o mesmo serviço, por um valor abaixo. No caminho, Edson alegou que precisava abastecer em um posto de gasolina e desviou a rota, momento em que Wagner apareceu em uma motocicleta e, em posse de arma de fogo, anunciou o roubo”, disse a autoridade policial.

Edson foi preso pela Polícia Militar do Amazonas (PMAM), no dia 21 de abril deste ano, no bairro Flores, zona centro-sul, após realizar outro roubo naquela localidade.

O delegado contou que Edson e Wagner roubaram o aparelho celular das vítimas e ainda solicitaram as senhas das contas bancárias delas.

“Eles realizaram transações bancárias pelo Pix, ocasionando um prejuízo significativo às vítimas, estimado em R$ 50 mil. Durante as investigações, as equipes conseguiram identificar Edson e Wagner como autores do crime, e Danilo Cardoso Simões como receptador dos aparelhos celulares”, relatou Pinho.

Prisões

Após trabalhos investigativos, as equipes da DERFD iniciaram as diligências para efetuar as prisões dos infratores e conseguiram localizar Wagner e Danilo na zona leste da cidade.

“Também foi cumprido o mandado de prisão em nome de Wagner, que já estava custodiado em uma unidade prisional de Manaus”, explicou o delegado.

Denis Pinho afirmou que as investigações devem continuar para averiguar se há outras pessoas envolvidas na ação criminosa.

Procedimentos

Os indivíduos responderão por roubo majorado e associação criminosa. Já Danilo responderá por receptação. Eles serão encaminhados à audiência de custódia, e ficarão à disposição do Poder Judiciário.