Juiz dos EUA anula leilão de petróleo do Golfo do México por impacto climático

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no email

Um juiz federal invalidou os resultados de uma venda de arrendamento de petróleo e gás no Golfo do México nessa quinta-feira (27), dizendo que o governo Biden falhou em explicar adequadamente o impacto do leilão sobre as mudanças climáticas.

A decisão lançou incerteza sobre o futuro do programa federal de perfuração offshore dos EUA, que tem sido uma grande fonte de receita pública por décadas, mas também atraiu a ira de ativistas preocupados com seu impacto no meio ambiente e contribuição para o aquecimento global.

O Golfo do México é responsável por 15% da produção de petróleo dos EUA e 5% da produção de gás natural seco, de acordo com a Energy Information Administration.

Na decisão, o juiz Rudolph Contreras, do Tribunal Distrital dos Estados Unidos do Distrito de Columbia, decidiu desocupar a venda de arrendamento 257 do Bureau of Ocean Energy Management, que oferecia cerca de 80 milhões de acres offshore (37,4 milhões de hectares) no Golfo do México em um leilão em novembro passado.

A venda gerou mais de US$ 190 milhões, o maior desde 2019, em 1,7 milhão de acres vendidos. Ele atraiu ofertas de grandes empresas de petróleo dos EUA, incluindo Exxon Mobil Corp (XOM.N) e Chevron Corp (CVX.N) .

A decisão de quinta-feira veio depois que o grupo ambientalista Earthjustice contestou a venda em nome de quatro outros grupos verdes, argumentando que o Departamento do Interior do presidente dos EUA, Joe Biden, estava confiando em uma análise ambiental de anos que não considerava com precisão as emissões de gases de efeito estufa que resultariam do desenvolvimento do blocos.

Contreras concordou, culpando o governo por excluir o consumo estrangeiro de sua análise de emissões de gases de efeito estufa e por ignorar a ciência mais recente sobre o papel do desenvolvimento de petróleo e gás no aquecimento global.

O Departamento do Interior, que supervisiona o desenvolvimento federal de petróleo e gás, disse que está revisando a decisão.

COMPROMISSO DE CAMPANHA

Biden fez campanha para a Casa Branca parcialmente com a promessa de acabar com a perfuração federal de petróleo e gás para combater as mudanças climáticas, mas os esforços para suspender novos leilões falharam depois que os estados da Costa do Golfo processaram.

“Documentamos sérias deficiências no programa federal de petróleo e gás”, disse a porta-voz do Interior, Melissa Schwartz, em comunicado. “Especialmente diante da crise climática, precisamos reservar um tempo para fazer reformas programáticas significativas e há muito esperadas”.

O Congresso determinou que os Estados Unidos realizem leilões regulares de terras públicas para o desenvolvimento de petróleo e gás.

“Estamos satisfeitos que o tribunal invalidou a venda ilegal de arrendamento do Interior”, disse Brettny Hardy, advogado sênior da Earthjustice, em um comunicado. “Simplesmente não podemos continuar a fazer investimentos na indústria de combustíveis fósseis para o perigo de nossas comunidades e do planeta cada vez mais aquecido”.

Não ficou claro como a decisão afetaria os planos do governo de oferecer mais de 300.000 acres de arrendamentos terrestres para perfuradores até o final deste trimestre. Assim como a venda do Golfo, esses leilões foram iniciados depois que um juiz federal em junho ordenou que o governo retomasse o arrendamento de petróleo e gás.

A indústria de perfuração offshore criticou a decisão.

“A incerteza sobre o futuro do programa federal de arrendamento offshore dos EUA só pode fortalecer a influência geopolítica de nações mais emissoras – e adversárias, como a Rússia”, disse o presidente da Associação Nacional das Indústrias Oceânicas, Erik Milito, em reação à decisão.

Scott Lauermann, porta-voz do grupo de lobby da indústria de petróleo American Petroleum Institute (API), disse que a API estava “revisando a decisão e “considerando nossas opções”.

A decisão não é a primeira vez que um tribunal cita análises ambientais defeituosas ao bloquear o desenvolvimento de petróleo e gás em terras federais. Em agosto, um juiz federal reverteu a aprovação do governo de um empreendimento de US$ 6 bilhões da ConocoPhillips no Alasca, uma decisão que foi citada na decisão de Contreras.

Da Reuters