Iniciam as obras de recuperação no trecho interditado da avenida 7 de Setembro

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no email

Os trabalhos de recuperação do trecho interditado – que cedeu no mês de abril – na avenida 7 de Setembro, no Centro, começaram a ser executados nessa segunda-feira (26), pela Secretaria Municipal de Infraestrutura (Seminf). O local abriga uma galeria construída no século XIX. Até o momento não há prazo para a conclusão dos serviços.

De acordo com a Seminf, foram constatados lixo doméstico e dezenas de ligações clandestinas de abastecimento de água na rede da prefeitura. A secretaria garante que, inicialmente, os trabalhos estão focados na retirada de resíduos despejados de forma irregular no local e na identificação do fundo da galeria onde há uma obstrução que causou o afundamento do trecho. Cerca de 15 trabalhadores estão envolvidos na ação.

Logo após a identificação do vazamento, as equipes irão implantar as novas aduelas em concreto armado substituindo a rede antiga, que será capaz de operar com qualidade a vazão correta das águas por um longo período de tempo, assegurando longevidade ao serviço.

De acordo com o subsecretário de Serviços Básicos da Seminf, Efrain Aragão, a vazante do rio Negro não cessaram 100% as águas dentro da galeria e, durante o trabalho iniciado na segunda-feira passada, foi detectado muito lixo doméstico e centenas de ligações irregulares na drenagem da prefeitura, dificultado bastante o trabalho da equipe.

“Estamos trabalhando com muita cautela. A primeira fase será detectar o vazamento, o local exato do problema, para poder iniciar de fato os reparos e substituir a rede antiga, mas devido às muitas ligações clandestinas e muito lixo doméstico, além da pouca visibilidade, o trabalho está sendo minucioso, pois precisamos ter segurança tanto na área como com os servidores que entram nas galerias subterrâneas”, explicou Aragão.

A Seminf reconhece o transtorno, mas, desde o início do mês de abril passado, vem buscando formas e sistemas para realizar as obras. A princípio, com a cheia dos rios, os trabalhos foram impossibilitados, pois o local estava completamente inundado.

Com informações da assessoria