A fumaça sobre o Amazonas impede a formação de nuvens de chuvas e agrava a seca no Estado. A informação consta em um artigo científico dos pesquisadores Lucas Ferrante, da Universidade Federal do Amazonas (UFAM) e Philip Fearnside, biólogo norte-americano ganhador do Prêmio Nobel da Paz em 2007.

Conforme o artigo, a fumaça em excesso inibe as chuvas porque o vapor d’água no ar precisa grudar em volta de alguma partícula. Quando o número de partículas é muito grande, as gotas que formam são pequenas demais para cair para o chão como chuva.

A informação é citada ao longo de uma análise sobre a fumaça no Estado, que segundo os pesquisadores é oriunda de focos de queimadas do sul do Amazonas.

Os pesquisadores analisaram dados de diversas fontes, entre elas do Instituto Nacional de Meteorologia (INMET) e do próprio INPE, e cruzaram dados como focos de queimadas, fluxo dos ventos e de chuvas.

Da redação

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *