Siga-nos as redes sociais

Siga-nos nas redes sociais

Especialistas avaliam que Manaus não está preparada para crescimento previsto

Especialistas avaliam que Manaus não está preparada para crescimento previsto

Reportagem: Eros de Sousa

Capital com maior percentual de aumento populacional no último censo do IBGE, Manaus pode sofrer com déficit habitacional, segundo o que avaliam especialistas.

Na prática, a demanda de pessoas seria maior do que a quantidade de moradias, podendo ter diversas consequências.

O censo de 2022 mostrou que a capital amazonense teve um crescimento de 14,5% no número de moradores quando comparado ao censo de 2010.

A cidade passou de 1 milhão e 802 mil pessoas residentes em 2010 para 2 milhões e 063 mil em 2022.

Esses números também colocam Manaus no primeiro lugar do ranking de maiores aumentos absolutos com um aumento de 261 mil novos moradores.

Apesar dos dados, grande parte do crescimento populacional de Manaus ocorre desordenadamente, sem o planejamento do poder público, o que resulta em um problema crônico de habitação.

Uma pesquisa da Mapbiomas divulgada este ano, mostrou que a capital amazonense foi a cidade com o maior crescimento de favelas nos últimos 37 anos, com um aumneto de 9.549 hectares, ou cerca 10 mil campos de futebol desde a década de 1980.

O geógrafo Thiago Oliveira, professor da Universidade Federal do Amazonas, explica que esse crescimento populacional ocorre sem uma política adequada de habitação, resultando no aumento das favelas em Manaus, onde os mais afetados são os mais pobres. (Ouça)

Essa falta de habitação também foi comentada pelo sociólogo da Universidade Federal do Amazonas, Luiz Antônio Nascimento, ele explicou que a cidade não está preparada para esse aumento populacional. (Ouça)

Manaus chegou a mais 2 milhões de habitantes em um processo conturbado de crescimento e estímulos de migração, como explica o geógrafo Thiago Oliveira. (Ouça)

Mesmo com o crescimento, Manaus ainda é a sétima cidade mais populosa do país.

O sociólogo Luiz Antônio Nascimento explica que é preciso que a classe política entenda que o tema da habitação é urgente na capital. (Ouça)

No Amazonas, o Censo 2022 registrou uma população de 3,9 milhões de habitantes e mais da metade da população do estado vive na capital (51%), o que mostra ainda mais a urgência de uma política de habitação democrática em Manaus.