Cientistas sul-africanos estudarão ligação entre variantes de Covid e HIV não tratado

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no email

Os principais cientistas sul-africanos devem investigar a Covid-19 e o HIV em conjunto, em meio a evidências crescentes de que a colisão das duas pandemias pode estar gerando novas variantes de coronavírus.

A equipe da Rede de Vigilância Genômica na África do Sul (NGS-SA), que primeiro alertou o mundo para a variante Covid Ômicron, disse que era hora de uma investigação “sistemática” do que acontece quando pacientes com HIV não tratado recebem Covid-19.

Vários estudos, incluindo um publicado pela equipe na semana passada, descobriram que pessoas com sistema imunológico enfraquecido – como pacientes com HIV não tratado – podem sofrer infecções persistentes por coronavírus, geralmente por meses.

O vírus permanece em seus sistemas e acumula mutações, algumas das quais podem lhe dar uma vantagem.

Alguns pesquisadores acreditam que pode ser assim que o Ômicron e algumas das outras variantes do Covid se desenvolveram, embora outros cientistas acreditem que possa ter surgido em animais antes de se espalhar novamente para os humanos.

Tongai Maponga, principal autor do artigo recente e pesquisador da Universidade Stellenbosch, disse que ele e colegas da NGS-SA estão discutindo um estudo mais aprofundado para apoiar a hipótese.

“Os poucos casos que foram vistos e descritos até agora estão acontecendo apenas por causa da vigilância aleatória”, disse ele à Reuters.

“Mas acho que em breve faremos algo mais sistemático para olhar especialmente para esses pacientes gravemente imunocomprometidos com HIV, para ver o que está acontecendo”.

Ele disse que o trabalho se concentraria em dois elementos: nos pacientes e como seus sistemas lidam com a infecção por COVID-19 e em provar se novas variantes provavelmente surgirão dessa maneira.

“Se for esse o caso, precisamos melhorar nosso jogo com a forma como diagnosticamos essas pessoas e garantir que elas recebam diagnóstico e tratamento imediatos”, acrescentou.

Saoirse Fitzpatrick, gerente de advocacia da StopAids, disse que a pandemia afetou “severamente” os testes de HIV em todo o mundo, mas que é fundamental enfrentar os dois desafios de saúde pública.

“Uma resposta ao Covid que deixa de fora a resposta ao HIV não é uma abordagem de saúde pública suficiente”, disse ela.

Não ficou claro quantos pacientes estavam envolvidos nesta fase.

A África do Sul tem a maior epidemia de HIV do mundo, com 8,2 milhões de pessoas infectadas. Apenas cerca de 71% dos adultos e 45% das crianças estão sendo tratados.

Maponga acrescentou: “Devemos reiterar que não queremos causar estigma desnecessário em torno do HIV – esse é o risco que corremos ao levantar essas questões, mas acho que precisamos considerá-las”.

Da Reuters